Tag: Marco Bailão

Conversa com Verso com Juliana Amaral

20 de junho de 2013 - Por Lourdes Casquete

Conversa com Verso com Dona Inah – 24/11/2012

29 de dezembro de 2012 - Por Lourdes Casquete

Dona Inah é a convidada do Conversa com Verso de 24 de novembro.

30 de outubro de 2012 - Por Lourdes Casquete

O projeto Conversa com Verso apresenta dia 24 de novembro (sábado) às 16h, a Dama do Samba Paulista, Dona Inah, lançando o seu 3º CD “Fonte de Emoção”

Dona Inah gravou “Fonte de Emoção”, com o grupo de jovens instrumentistas “Cadeira de Balanço”, oriundos do samba e do choro paulistano. No repertório, a composição de Dona Inah, “Chorar Jamais”, músicas de Dona Ivone Lara, Paulo César Pinheiro, Ivor Lancelote, Teroca, Fabrício Rosil, Douglas Germano, Vó Suzana, além de inéditas de Monarco e Delcio Carvalho, que também fazem participação especial no CD.

O CD “Fonte de Emoção” traz a direção musical de Zé Barbeiro e propõe um retorno à linha de seu 1º trabalho “Divino Samba Meu”, vencedor do Prêmio Tim 2005, após a belíssima homenagem a Eduardo Gudin em 2008, com o seu segundo CD “Olha quem Chega”.

Além do lançamento de “Fonte de Emoção”, patrocinado pelo ProAC - Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, Dona Inah terá também sua vida retratada em documentário produzido e dirigido pela cineasta Patrícia Francisco, patrocinado pela Natura, com lançamento previsto para o final do ano.

Na apresentação, Dona Inah apresentará as canções do CD “Fonte de Emoção”, acompanhada pelo violão de Marco Bailão e percussão.

Projeto: Conversa em Verso
Convidados: Dona Inah, lançando o seu 3ª CD “Fonte de Emoção”
Dia: 24/11/2012 - sábado - às 16 horas
Local: Centro Cultural e de Estudos Superiores Aúthos Pagano
Rua Tomé de Souza, 997 - Sítio Lapa/SP - Tel: (11) 3539 6140 e 3836-4316
Entrada franca
Duração: 60 min – Capacidade: 60 lugares.
Curadoria e produção executiva: Celina Lucas / Lourdes Casquete
Realização: Instituto Pensarte e o Centro Cultural Aúthos Pagano. Apoio Secretaria de Estado da Cultura.






DONA INAH • FONTE de EMOÇÃO


Após quatro anos, Dona Inah grava seu terceiro Cd, “Fonte de Emoção”, com o grupo de jovens instrumentistas “Cadeira de Balanço” e apresenta, além de músicas inéditas de Monarco e Delcio Carvalho, seu lado compositora.
O ano de 2012 será muito importante para Dona Inah. Além do lançamento de seu terceiro trabalho, o Cd Fonte de Emoção, patrocinado pelo ProAC Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. E terá também sua vida retratada em documentário roduzido e dirigido pela cineasta Patrícia Francisco, patrocinado pela Natura, com lançamento previsto para o final do ano.
O Cd “Fonte de Emoção” traz a direção musical de Zé Barbeiro e propõe um retorno à linha de trabalho de seu primeiro Cd “Divino Samba Meu”, vencedor do Prêmio Tim 2005. Após a belíssima homenagem a Eduardo Gudin em 2008, com o seu segundo Cd “Olha quem Chega”, a Dama do Samba Paulista traz para a cena um grupo de jovens instrumentistas originários do samba e choro paulistano, o Grupo “Cadeira de Balanço”, que acompanha Dona Inah há 2 anos semanalmente no Ó do Borogodó e interpreta todas as canções do Cd. No repertório, obras de Dona Ivone Lara, Paulo César Pinheiro, Ivor Lancelote, Teroca, Fabrício Rosil, Douglas Germano, Vó Suzana, além de inéditas de Monarco e Delcio Carvalho, que também fazem participação espacial no Cd. A novidade deste trabalho é a faceta oculta da artista Dona Inah: a de compositora, com a música Chorar Jamais.

Repertório
1. Chorar jamais_ Dona Inah 3:07
2. Bodas de ouro_ Paulo César Pinheiro • Dona Ivone Lara 5:02
3. Marcas do sofrimento_ Monarco • Mauro Diniz 4:06
4. Resposta_ Ivor Lancellotti 5:40
5. Estrela Dalma_ Teroca 3:15
6. Jaci e maré cheia_ Douglas Germano • Milton Conceição 4:05
7. Vou fugir_ Ivor lancellotti • Delcio Carvalho 3:51
8. Hoje eu vou pro samba_ Vó Suzana 3:06
9. Fonte de emoção_ Fabrício Rosil 5:19
10. Clara_ Ventura Ramirez • Roberto Barbosa 4:00
11. Linhas tortas_ Delcio Carvalho • Toninho Nascimento 3:06
12. Diploma de sambista_ Dora Lopes • Jorge Lopes • Marcos Silvestre 3:22

Ficha Técnica
Equipe artística_ Voz • Dona Inah
Direção musical • Zé Barbeiro
Arranjos • Zé Barbeiro (todas as faixas, exceto a 9) e Fabrício Rosil (faixa 9)
Conjunto Cadeira de Balanço (todas as faixas, exceto a 4)
Enrique Menezes_ flautas e pífano • Gian Corrêa_ violão 7 cordas • Henrique
Araújo_ cavaquinho e bandolim • Rafael Toledo, Douglas Alonso e Léo Rodrigues_percussão. (todas as faixas, exceto a 9)
Participação especial • Monarco_ voz (faixa 3) • Delcio Carvalho_ voz (faixa 11)
• Alfredo Castro_ cuíca (faixas 5, 10 e 12) • Marcellus Vinicius Meirelles_
violão (faixa 4) • Anaí Rosa, Carmen Queiroz, Karine Telles, Roberta Valente e João Macacão_ coro (faixas 1, 6 e 8)
Equipe técnica_ Produção executiva e gestão do projeto • Karina Poli e Marco Bailão
Produção fonográfica • Pôr do Som
Captação de áudio • Estúdio 185 • Lindenberg Oliveira
Mixagem • Lindenberg Oliveira e Zé Barbeiro
Masterização • Beto Mendonça
Projeto gráfico e fotografia • Joana Gudin e Bruno Lenarducci

Ignês Francisco da Silva • DONA INAH


A trajetória de vida de Dona Inah é típica daquelas histórias que dão um bom enredo de filme com muita música, uma história tão bonita que, em 2012, gravou ela as cenas de um documentário sobre a sua história.

Oriunda de Araras, interior do estado de São Paulo, Ignês Francisco da Silva iniciou sua carreira na década de 50, cantando em rádios e clubes de sua cidade.
Ao chegar à capital paulista, trabalhou em programas da Rádio Record. Em 1960, gravou seu primeiro disco, em 78rpm, pelo extinto selo Trovador. A partir dos anos 70, conduziu sua carreira timidamente, cantando em rodas de samba e restritas apresentações na noite paulistana.
Distante dos holofotes da mídia, entretanto, seu talento começou a ser lapidado unicamente pelo tempo, pela paixão à música e pela longa história de uma vida, tocada de modo simples através da árdua labuta, trabalhando de babá, doméstica e cozinheira. Esse afastamento dos palcos durou até o ano de 2002, quando participou do musical Rainha Quelé, uma homenagem à Clementina de Jesus, atuando ao lado de outra diva olvidada pela mídia, Marília Medalha, e da cantora Fabiana Cozza. Esse feito acabou se transformando no novo ponto de partida de sua carreira, proporcionando- lhe convites no circuito paulista e outros projetos, dentre eles a o primeiro Cd, após décadas de carreira. A partir daí, a história é conhecida: continuou seu percurso, se apresentando em teatros, ao lado de grandes nomes, como o trombonista Raul de Barros, e em casas de boa música paulistana, acompanhada por músicos virtuosos e seus admiradores contumazes, dentre eles o compositor Hermínio Bello de Carvalho, que lhe cedeu sambas inéditos em parceria com Ataulfo Alves, e sambas inéditos de Cartola.
Em 2003, iniciou pesquisa de repertório para seu primeiro Cd, com prévia de shows em duas pequenas temporadas no Supremo Musical, e em algumas apresentações no Sesc. Em 2004, foi convidada para cantar no Theatro Municipal de São Paulo, no Fórum Mundial de Cultura, ao lado de Marlui Miranda, sob direção de Elias Andreato.
Ainda no final de 2004, lançou o Cd "Divino Samba Meu", no teatro do Sesc Pompeia, em São Paulo, com temporada no exterior no primeiro semestre de 2005 – Festival L’Imaginaire (Paris) e Festival Mawazine (Marrocos). O Cd recebeu o Prêmio Tim, na categoria revelação.
No final do ano de 2008, Dona Inah lança seu segundo Cd, “Olha quem Chega”, onde abraça carinhosamente a obra de Eduardo Gudin, gravando 16 obras do mestre paulistano do samba, e brilha em clássicos gudinianos como Velho Ateu (com Roberto Riberti), Maior é Deus (com PC Pinheiro), Verde (com JC Costa Netto) e Ainda Mais (com Paulinho da Viola). Este segundo Cd foi também indicado ao Prêmio da Música Brasileira (que sucedeu o Prêmio Tim) em 2009, entre os 3 finalistas na categoria melhor Cd de samba. Em 2010, Dona Inah esteve em Cuba, onde matou as saudades dos seus trabalhos no final da década de 50 e início da década de 60, gravando um Cd com músicos cubanos, com repertório típico do local (boleros, salsa, tcha tcha tcha, etc).
Ao longo dos últimos 10 anos, vem atuando em shows no circuito Rio de Janeiro e SãoPaulo, ao lado de Dona Ivone Lara, Maria Rita, Paulinho da Viola, Elton Medeiros, Germano Mathias, Jair Rodrigues, João Borba, Adriana Moreira, Fabiana Cozza, Cristina Buarque, Monarco, Delcio Carvalho, Wilson Moreira, Nelson Sargento, dentre outros bambas do samba.

Grupo Cadeira de Balanço


• Enrique Menezes_ flautas e pífano
Graduado em composição na Universidade de São Paulo e Mestrando em musicologia pela mesma instituição, Enrique Menezes é flautista, arranjador e compositor. Desde 2006 dedica-se ao estudo das bandas de pífano e à construção desse instrumento, compondo peças específicas para vários tipos de pífano. Vencedor do
Prêmio Nascente na categoria composição popular, suas peças têm sido tocadas por instrumentistas como Toninho Carrasqueira e Lidia Bazarian em locais de tradição como o Teatro Municipal de São Paulo e Teatro Guaíra em Curitiba. Mantém apresentações regulares (trimestrais) no TUSP com o grupo SINTOMA de dançateatro, sendo responsável pela composição da coreografia e da trilha sonora.
• Gian Corrêa_ violão 7 cordas
Começou como solista de cavaquinho aos 6 anos de idade. Com 13, foi convidado a integrar o quinteto “Um a Zero” e gravou seu primeiro Cd: “Tributo a Esmeraldino Sales”. Em 2003 começou a se aproximar do violão de 7 cordas, que se tornou seu principal instrumento. Atualmente integra o grupo de choro “Chorando as Pitangas” e o quinteto “Ó do Borogodó”. Também acompanha as cantoras Juliana Amaral e a ganhadora do Premio TIM Revelação de 2005, Dona Inah. Gian já tocou com nomes como Danilo Brito, Isaías Bueno, Silvério Pontes, Zé da Velha, Ferragutti, Ricardo Herz, Toninho Carrasqueira, e Fabiana Cozza. Hoje atua como músico e produtor musical em São Paulo, alem de fazer arranjos para diversas formações e gêneros musicais.
• Henrique Araujo_ cavaquinho e bandolim
Com uma “levada” diferenciada, teve muita influência do universo do forró pé-deserra.
Desde pequeno mantinha grupos de choro e freqüentava quadras e ensaios de escola de samba. Com todas essas diferentes escolas, Henrique hoje atua como importante cavaquinista no cenário musical de São Paulo e já acompanhou artistas como Dominguinhos, Osvaldinho do Acordeon, Gabriel Grossi, Otto, Happin Hood, Proveta, Wilson das Neves e Roberto Sion. Em 2006 participou do disco do grupo Beat Choro (Trama), tendo feito uma turnê pela Europa. Atualmente, aos 24 anos, integra os grupos Bico de Lacre, Panorama do Choro Paulista Contemporâneo e Regional Gato Preto, além de acompanhar o acordeonista Toninho Ferragutti.
• Rafael Toledo_ percussão
Rafael Toledo já transitou pelas mais diversas formações, desde grupos de choro, samba, gafieira, forró, ritmos brasileiros, salsa, até jazz sinfônicas, big bands, jazz combo, grupo de percussão e camerata de violões. Gravou com nomes como Danilo Brito, Alessandro Penezzi, Dominguinhos, Vinicius Dorin, Maestro Spok, Monarco e Nelson Sargento. Estudou percussão erudita no Conservatório de Tatuí, onde também formou-se em percussão popular. Atualmente cursa Tecnologia em Produção Musical e integra a Big Band “Jazzco”, o conjunto de “Danilo Brito”, o grupo “Tuco e Batalhão de Sambistas”, o grupo de salsa “Compadre Candela” e o grupo “ Regional Imperial”, do qual é um dos idealizadores.
• Douglas Alonso_ bateria
Douglas é um dos mais requisitados percussionistas da sua geração, trazendo os
instrumentos de percussão para a disposição da bateria. Acompanha desde o ínicio a cantora Fabiana Cozza, tendo co-produzido seu segundo CD “Quando o Céu Clarear”. Formou-se em percussão popular na EMESP e estudou percussão erudita na Escola Municipal de Música. Já acompanhou artistas como Leila Pinheiro, Eduardo Gudin, Toninho Ferraguti, Virginia Rosa, Cris Aflalo, Wandi Dorattioto, Elton Medeiros, Carlinhos Vergueiro, Paulo Vanzolini, Dona Ivone Lara, Celso Viáfora, Paulo Freire, Beth Carvalho, Wanderley Monteiro, Nei Lopes, Antonio Vieira, Rita Ribeiro, Germano Mathias, Seu Jorge e Zé Renato. Em 2009 produziu uma faixa no Cd "Baita Negão" da cantora Virginia Rosa.
Léo Rodrigues - percussão
Conhecido por seus estudos e pesquisas sobre o pandeiro, Léo Rodrigues participa de diversos projetos. Atualmente integra o quarteto “Roda de Choro”, que já se apresentou ao lado de convidados como Toninho Ferragutti, Carlos Malta, Nicola Krassic, Gabriel Grossi, Oswaldinho do Acordeon, Laércio de Freitas e Nelson Ayres. Acompanha o violonista Zé Barbeiro, o clarinetista Alexandre Ribeiro, o vibrafonista André Juarez, a cantora Verônica Ferriani e, desde 2005, a cantora Dona Inah. Atuou como percussionista do programa Sr. Brasil na TV Cultura, e há 3 anos acompanha o multi-instrumentista Antônio Nóbrega, tendo gravado em 2010 o DVD Naturalmente”, espetáculo de dança e música brasileira.


Fonte: Dona Inah, Karina Poli, Marco Bailão

Conversa com Verso Com Vânia Bastos

25 de maio de 2012 - Por Lourdes Casquete